O Brasil estava mesmo entre a cruz e a espada?

As últimas eleições presidenciais no Brasil revelaram um cenário político extremamente dividido, com candidatos em lados opostos do espectro político sendo colocados um contra o outro, em narrativa dualística que não deixa ser muito familiar aos brasileiros. Embora os meios de comunicação tenham sido rápidos em reduzir a narrativa a apenas isso - extrema direita v. esquerda; conservadores populistas v. liberais - a realidade é, de fato, muito mais sutil. Com os eleitores sentindo que não tiveram escolha senão expressar suas frustrações com a atual conjuntura política brasileira nas urnas, as reais motivações de se votar em um candidato em detrimento do outro não são tão óbvias quanto parecem.

Was Brazil really stuck between the devil and the deep blue sea?

Brazil’s latest presidential elections have revealed a fractured political climate, with candidates from opposing ends of the political spectrum being pitted against each other, in what is becoming an all too familiar scenario. Although most international media outlets were quick to boil the narrative down to just that – extreme right v. left; populist conservatives v. liberals – the reality is in fact far more nuanced. With voters feeling they’ve been left no choice but to voice their frustrations over domestic issues at the ballot box, the true drivers of support for one candidate over the other are not as simple as they may seem.